quarta-feira, 4 de junho de 2014

Embalar

O dia morre, anoitece
Nas trevas do teu colo
Que embalas como tuas
Tudo escurece
Resumo de sombras, rostos
Que escorrem no inverno
Lágrimas degustadas de desgosto
Gotas do não sentir

Sem comentários:

Enviar um comentário