quarta-feira, 4 de junho de 2014

Não existe melhor forma de inaugurar o caderno negro do que numa página quase branca
Para que haja esperança
Para que exista paz ou memória
Para lavar a vista da história
Das páginas já escritas à espera de existir

Sem comentários:

Enviar um comentário